21 de jun de 2013

British Invasion: Elvis Costello no Royal Albert Hall

Caro leitor, caro amigo, pense rápido aqui comigo: quantas vezes você já foi a um show e saiu com cara de bunda porque o artista não tinha tocado a sua música favorita? Indo em frente: quantas vezes você já xingou um jornalista porque ele criticou o artista que não sabe escolher um repertório? Se você for tão melômano quanto eu, provavelmente a contagem deve estar perdida lá pela casa das dezenas, talvez centenas. Mas nossos problemas acabaram: tudo graças a Elvis Costello e o seu maravilhoso Spectacular Spinning Songbook. 

A regra da brincadeira é simples: no palco, junto com o homem por trás de This Year Model, sua banda (os Imposters, formados pelo tecladista Steve Nieve, pelo baterista Pete Thomas e pelo baixista Davey Faragher) e dançarinas, há uma enorme roleta. Cada casa da roleta tem o nome de uma música ou de um tema comum nas canções de Costello, e durante boa parte do show, o inglês convida alguém da plateia para girar a brincadeira. Assim que sai o resultado, o cantor dispara a tocar a música contemplada pelo sorteio, como se fosse uma incrível máquina sonora. Criada em 1986, a proposta voltou a ser usada por Elvis em seus espetáculos em 2011, ganhou CD e DVD e, na noite do último dia 6 de junho, teve lugar mais uma vez em Londres, no Royal Albert Hall.


Ok. Você deve estar desconfiado: mas como assim ele vai deixar o repertório todo de um show na mão da sorte? Não, ele não vai. Mesmo já tendo provado mil vezes que não é bobo, Costello reitera tal argumento ao (tentar) garantir a noite já nas primeiras músicas. Duvida? O que dizer de uma sequência de cinco músicas que começa com “I Can’t Stand Up for Falling Down”, tem “High Fidelity” e “Mystery Dance” no meio e se encerra com “Radio Radio”? 

Pois bem... é após essa última que o cantor transforma o Royal Albert Hall em um game show dos mais divertidos: trajando uma cartola, jogando com um holofote para chamar a atenção da plateia e recebendo os convidados no palco com galhardia, Costello leva o público para uma atmosfera divertida. Na primeira rodada, “45”. Na segunda, um jackpot: “Girl”, que faz o inglês tocar um trio de canções com tal palavra no nome, começando com a porrada “This Year Girl”.

Rodadas e canções se seguem, trazendo surpresas que o cantor só apresenta de vez em quando (“I Want You”), convidados especiais (em uma das aparições, Bonnie Raitt sobe ao palco, e vê Elvis cantar um bônus de Johnny Cash com “Cry Cry Cry”, veja o vídeo) e intervenções marcantes do público. 

Um exemplo é o Martelo das Canções: outra atração da noite, na qual o espectador não gira a roleta, mas sim testa sua força em um martelo. Se atinge o nível mais alto, ele pode escolher o que quiser ouvir – até mesmo “Macarena”. Um senhor gordo é chamado ao palco, e sem pestanejar, acerta em cheio. O Royal Albert Hall – ou pelo menos sua parcela feminina – berra por “She”, regravação de Charles Asznavour que Costello fez para “Um Lugar Chamado Notting Hill”. O senhor gordo não perde tempo: “I wanna hear Oliver’s Army”, para muxoxo quase geral (não para este que vos escreve). 

(Em tempo: minutos depois, com o pedido de uma japonesa que veio de Tóquio só para o show, Costello tocaria “She”, e veria 30% do público ir embora após a canção). 

No bis, a emoção ainda é mais forte: primeiro, pela emoção de “Indoor Fireworks”. Depois, pelo tour de force de Costello em “Jimmie Standing in the Rain”: ao final da música, Costello desliga o microfone, e, amparado pela acústica do Royal Albert, e na base do gogó, faz sua voz ecoar (com grande clareza e emoção) pelo recinto, cantando “Brother, can you spare a dime?”. 

Na sequência, mais uma porrada: uma versão longa, com grandes solos de guitarra, de “Watching the Detectives”, faixa que encerra a estreia de Costello, “My Aim Is True”. Pra encerrar, uma versão soul de “Everyday I Write the Book”, outro grande solo em “(I Don’t Wanna Go To) Chelsea” e a machadada final da noite: “Pump It Up” e “(What’s So Funny ‘Bout) Peace, Love and Understanding”. Nessa última, uma brincadeira de Stevie Nieve encerra a noite: no meio da música, ele deixa o palco, e vai para o órgão do Royal Albert fechar a noite com chave de ouro. Ou quase. 

É que esse crítico de meia pataca também tem lá sua música favorita de Costello, e pela sorte, ela não apareceu no show. (A quem pergunta, a moça responde pelo nome de “Alison”). Mas é justamente aí que está a graça do Spectacular Spinning Sonbook: não dá pra culpar o cantor por tal escolha – afinal, a música estava lá na roleta, e não apareceu. É uma ideia genial, primeiro, porque transforma uma turnê de revisita a antigos sucessos em algo emocionante. Segundo, porque exibe um artista brincando de perder o controle sobre seu repertório – e, na verdade, mostrando todo o seu domínio sobre ele. Terceiro, e mais importante: porque é um espetáculo em sua forma mais pura. Sendo assim, não dá pra sair desse show sem um sorriso verdadeiro no rosto. Yeah, my smile is true, mr. Costello. 



Leia mais do Pergunte ao Pop em turnê europeia:

Um comentário:

  1. Não pude ir esse ano mas segui um trecho da turnê ano passado, quando fui a duas noites no RAH. The Spectacular Spinning Songbook é o show mais viciante ever!

    ResponderExcluir