22 de jun de 2013

British Invasion: Liverpool, Táxis e Penny Lane

Os quatro dias em Londres me reservaram alguns dos momentos mais incríveis da vida até agora (ó, que drama), mas depois de muito pubear era hora de ir em frente com a viagem. Entretanto, antes de ir para Amsterdã, ainda não era hora de deixar a terra da Rainha. O motivo: dar um pulinho na terra dos Beatles (e do Echo and the Bunnymen), pisar em Penny Lane e entender o que de mágico havia na água de Liverpool. Depois de uma gripe e uma viagem de ônibus que durou cinco horas, mas pareceu durar cinco minutos no meu sono, desci na estação de ônibus de Liverpool ao som de... "Miss You", dos Stones. Trollagem das boas do universo, te falar, viu?

Eu e a Lelê, minha companheira de viagem desde o Porto e até Berlim, tínhamos apenas um dia e uma noite na cidade do norte da Inglaterra, mas até que deu pra aproveitar bem. No dia da chegada, demos uma volta pelo centro da cidade, incluindo uma passagem pelo muro do Cavern Club original (há uma réplica para turistas dez metros adiante, que funciona como bar e tem shows tributos) e pelo Wall of Fame de Liverpool (além dos Beatles, tem Gerry and the Pacemakers e Atomic Kitten. Risos). Depois disso, um passeio pela costa do porto, cheia de menções à Segunda Guerra Mundial (Liverpool era uma das bases da marinha inglesa) e gente jogando futebol - além do Liverpool, a cidade também é sede do Everton, que recentemente "cedeu" seu técnico ao Manchester United, após a aposentadoria de Sir Alex Ferguson.

O dia ainda estava claro, então "por que não ir atrás de Penny Lane?", pensamos nós dois. As recomendações que havíamos lido no dia anterior falavam para pegar um ônibus ou um táxi, mas pelo mapa que o centro turístico forneceu parecia perto. Ledo engano. Penny Lane is até agora in my eyes, my ears and my fucking bleeding knees, eu diria. A famosa rua da canção de Paul McCartney fica no fim de Liverpool, bem no subúrbio - cheio daquelas casas de tijolinhos tipicamente inglesas, hoje habitadas por indianos, chineses e outros muitos imigrantes.

Se os pés cansaram, pelo menos o passeio valeu a pena para entender a) de onde exatamente os Beatles vieram e b) o que é uma cidade tipicamente inglesa. (Embora Liverpool ainda seja uma das maiores delas, seu centro é bastante pequeno, o que lhe valeu o apelido dado por mim de "Cubatão britânica"). A desinformação - e a preocupação em voltar pro hostel - fez com que a gente não conseguisse ir até Strawberry Field, orfanato que inspirou a melhor música dos Beatles (mas não a minha favorita), e que, segundo descobrimos depois, era ali do lado. Snif. (Dicona: das duas uma: ou cê pega um ônibus e vai até as duas, ou combina um rolê com um táxi).

Por falar em táxi, uma história engraçada. Voltávamos os dois a pé de Penny Lane para casa, e acabamos nos perdendo no meio do caminho até o hostel. Decidimos (eu com a barba toda por fazer, Lelê com um lenço na cabeça como se fosse um véu) pedir a ajuda a uma senhora, com a tez um bocado avermelhada de maneira artificial (risos). Ao nos ver, a mulher se assustou e jogou sua carteira no chão. O que se seguiu foi o seguinte diálogo:

"Hey, do you know how we can get to Everton Road?". 
"Everton Road... Everton Road...? Oh my God! (cara de assustada)". 
"Yes, Everton Road'. 
"Ah (mais assustada), erhm (assustadíssima), get a taxi! Do you need money for the taxi? (mostra uma mão cheia de moedas de uma libra na nossa frente) Money? For the taxi?". 
"No, ma'am, no. Thank you! And... don't forget your wallet!"
"Oh!" (sai correndo).

No dia seguinte, já refeitos do susto (risos), fomos a dois museus. Primeiro, o Tate Liverpool, versão nortista da fundação que também cuida da Tate Modern e da Tate Britain. Com uma exposição enxuta, mas duas mostras bem bacanas, a Tate Liverpool se tornou a minha favorita das três que eu visitei. Se o Reina Sofia não deixa os visitantes de seu acervo penetrarem na "Tropicália" de Hélio Oiticica, a Tate Liverpool deixa - o que faz toda a diferença se você já viu a obra. (Fica o suspense no ar, ta-dah!)

Depois, o Beatles Story, museu dedicado a contar, ehrm, a história dos Beatles. É caro (12 libras) e meio truque pra gringo ver, mas não vale o que pesa. Primeiro, porque a exposição começa muito bem, cheia de detalhes sobre os primeiros passos dos Fab Four, mas depois de 1963, tudo perde o foco para cair em um resumão Wikipedia da carreira de JPG&R. Isso pra não falar no Fab 4D, um filminho tosco que joga água e vento na sua cara, sem nem ao menos usar as gravações do grupo - pelo menos as crianças que acompanhavam o rolê adoraram.

Como o vôo para Amsterdã era no final da tarde, não deu tempo de fazer muito mais coisa do que pedir um fish and chips (todo engordurado, mas uma delícia) e ir pra terra dos moinhos. Foram pouco mais de 24 horas, mas o suficiente para ter uma ligeira impressão da cidade - e fazer surgir a vontade de voltar, visitar as casas originais dos Beatles, fechar os olhos em Strawberry Fields e aproveitar para dar um pulinho na vizinha Manchester. Mas isso fica para outra long and winding road...

Leia mais do Pergunte ao Pop em turnê européia:

Um comentário:

  1. Cêis tavam tão pertinho de Strawberry Fields e não foram! :(

    A casa do John era por ali também... uma boa caminhada a pé, mas tem ônibus!

    ResponderExcluir