27 de mai de 2014

Just Like Rain

Perdoe o trocadilho, caro leitor, mas a bem da verdade, o domingo foi de muita chuva aqui em São Paulo. Não que isso tenha afastado 12 mil pessoas de ver uma das grandes bandas dos anos 80 em ação em um dos eventos mais charmosos do ano musical da capital paulista, o Cultura Inglesa Festival. Em sua quarta edição aberta ao público geral (não se deixe enganar pelo numeral ordinal 18 colocado antes do nome do evento), o CIF trouxe ao Memorial da América Latina os galeses dos Los Campesinos! e o Jesus and Mary Chain. (escolha aqui sua piada: a) Jesus voltou pra transformar vinho em água. b) marcha para Jesus). 

Na edição 2013, este blog esteve ausente, mas chiou muito com a reserva de R$ 5,00 por um ingresso (que é gratuito). Façamos justiça: por R$ 5,00, ultimamente, nem latinha de Coca-Cola em boteco anda se tomando em São Paulo, e não é por isso que não se deixará de ir a um evento, não é mesmo? Mas melhora: apesar de termos reservado o ingresso, fizemos confusão e acabamos por retirar de última hora na bilheteria, sem problema algum, logo depois de chegar ao Memorial da América Latina, coladinho na estação Barra Funda do metrô. 

Se o Parque da Independência ainda dá saudade, pelos seus dias de sol, pelo anfiteatro natural e por ser pertinho de casa, o Memorial da América Latina não fez feio em um dia de chuva - afinal, chão cimentado não faz lama e tem tudo a ver com Londres. Outro problema de anos anteriores, a falta de comida para comprar, foi bem resolvido esse ano com barraquinhas espertas (embora este escritor tenha chegado ao local tarde demais para comer um fish & chips). Mas vamos ao que interessa: os shows. 

Tivemos preguiça demais de sair de casa em um domingo tipicamente britânico (há quem diga que o Cultura Inglesa contratou o Cacique Cobra Coral) para ver as bandas de abertura, incluindo uma homenagem a Amy Winehouse (quem viu, disse que era melhor ir ver o filme do Pelé). O Los Campesinos! (assim mesmo, com exclamação) bem que tentou, e até ofereceu alguma distração, mas enfrentou o som ruim e a chuva que caía para entreter os presentes. Até Darth Vader preferiu se refugiar da água do céu debaixo de um telhadinho próximo durante o show.

Na sequência, os irmãos Reid lutaram contra a baixa expectativa, em um show que frustrou idólatras, mas divertiu bem quem não esperava muita coisa e estava mais ou menos escolado depois da apresentação bizarra do Planeta Terra de 2008.



Com bom som, alguns erros (Jim Reid, com problemas no retorno, parou três músicas durante o show para recomeçá-las, incluindo "Just Like Honey"), efeitos especiais (a chuva, que tinha dado uma trégua, reapareceu justo em "Happy When it Rains") e ligeiro bom humor (rolou até beijinho no microfone, bem maior que qualquer beijinho no ombro), os hoje cinquentões fizeram um mistão de sua carreira, incluindo uma cover da Legião Urbana, "Head On", logo no começo; as espertas "Blues From a Gun" e "Some Candy Talking" no meio e o hino "Just Like Honey" como encerramento do show normal. No bis, teve ainda "Taste of Cindy", "The Hardest Walk" e "Reverence", com mínimo calor para aquecer corações.

Até aqui, um dos shows do ano, justificando mais uma vez a existência de um festival que tem a manha de ser bem organizado, gratuito e com soluções originais em seu lineup desde o começo de sua existência (afinal, não é todo dia que se vê um Gang of Four mandando ver no parque ou o Franz Ferdinand de graça (embora Alex Kapranos esteja batalhando uma vaga de estagiário no restaurante do Alex Atala)). Pro ano que vem, fica a sugestão: Teenage Fanclub, que tal? ;)

Todas as fotos por Liliane Callegari

Leia mais sobre o Cultura Inglesa Festival:
- 2012: Burn This City com o Franz Ferdinand
- 2011: Uma Tarde de Sol com o Gang of Four, Miles Kane e Blood Red Shoes

Um comentário: